Por que eu devo fazer a identificação do rebanho em minha fazenda?

Tempo de leitura: 6 minutos

A identificação do rebanho tem assumido grande importância nas propriedades rurais, pois, através dela é possível ter um melhor gerenciamento dos bovinos na fazenda visando uma maior lucratividade.

Ao identificar individualmente os animais você pode saber o histórico de cada um, sua produtividade, manejos sanitários realizados, se o animal deve ou não ser descartado, podendo também contribuir para melhorar seu rebanho geneticamente.

Identificação rebanho

Fonte: www.mnp.org.br

A identificação traz a você, produtor, uma segurança maior principalmente quando cadastrado no SISBOV – Sistema de Identificação e Certificação de Bovinos e Bubalinos.
Essa segurança se dá por não haver outro bovino com o mesmo código no mundo, e possibilitar o comércio legal tanto nacional quanto para exportação.

 

Quais são as formas de identificação animal?

Existem diversas formas de identificação, algumas delas são: identificação com brincos simples, marcação a fogo, tatuagem e identificação eletrônica.

Cada fazenda tem suas particularidades, mas de forma geral, a forma de identificação mais recomendada é a identificação através de brincos.

 

Identificação Animal por Brincos Simples

A identificação animal por brincos se tornou muito utilizada por diversos produtores rurais do Brasil, justamente por ser uma forma simples e eficaz de identificar seu rebanho.

A aplicação do brinco pode ser realizada por qualquer pessoa, desde que siga alguns passos indicados para que não haja problemas (abaixo traremos instruções para uma aplicação correta dos brincos).

Há tempos vem sendo aplicada em bovinos, tanto em fazendas de gado de corte quanto em fazendas de gado de leite, como forma de controle, auxiliando em uma melhor produção e visando lucro para o proprietário.

Brinco simples

Fonte: www.certifiedhumanebrasil.org

Existe na pecuária de corte a identificação por brincos simples e por brincos eletrônicos, e convém a cada produtor ver o que se encaixa melhor em sua propriedade, para então adquirir o brinco.

Contudo, em diversas fazendas, os brincos simples vêm perdendo lugar para os brincos eletrônicos, que oferecem uma maior agilidade e precisão na identificação dos animais.

 

Como surgiu a identificação eletrônica?

A identificação eletrônica e a rastreabilidade vieram para auxiliar o produtor em todas as horas. Ela surgiu com o aumento da demanda por alimentos, e com a preocupação do consumidor com a origem do produto que chega à sua mesa.

A partir daí foi criado o SISBOV, que garante a comercialização de uma carne de qualidade com selos de certificação e inspeção.

Os brincos eletrônicos foram criados para suprir a necessidade do produtor em melhorar a gestão da sua fazenda.

Fonte: www.comprerural.com

Ao utilizar a brincagem eletrônica vinculada à rastreabilidade, você terá um maior controle do seu rebanho, pois assim, tanto você quanto outras pessoas terão acesso visual à numeração do animal, e acesso ao histórico do animal desde seu nascimento até o momento atual.

Existe também a possibilidade de aliar os brincos eletrônicos com aplicativos como, por exemplo, o JetBov, que ao obter a leitura do brinco já expõe ao produtor todos os dados do animal como pesagens, vacinações e manejos realizados com o mesmo.

 

Leitores Eletrônicos

Uma ferramenta que se torna essencial na adesão dos brincos eletrônicos são os leitores, que possibilitam a identificação automática do brinco quando localizado a certa distância da orelha do animal.

O que isso quer dizer? Quer dizer que os erros humanos na escrita da numeração do brinco do animal caem para uma margem próxima a zero. Ou seja, é muito mais eficaz!

Existem diversos tipos e formas de leitores de brincos, basta você buscar o mais acessível e que se encaixa na sua forma de identificação eletrônica e implantá-lo em sua propriedade.

 

Qual a forma correta de aplicar o brinco em meu animal?

Existem algumas formas que tornam a brincagem animal mais simples e com menos chances de erro, ou seja, tomando alguns cuidados, você diminui a probabilidade de queda do brinco e evita machucar o animal.

A aplicação tanto de brincos convencionais (sem rastreabilidade) quanto de brincos eletrônicos se dá da mesma forma. Para uma aplicação eficaz montamos alguns passos que podem ser seguidos pela pessoa que fará a brincagem:

  1. Preparação e organização dos equipamentos que serão usados (alicate, brincos, brete, etc).
  2. Encaixar de forma correta o brinco no equipamento (alicate).
  3. Aplicar de forma correta, entre as duas nervuras da orelha do animal.
  4. Verificar se a aplicação se deu de forma correta ao mexer no brinco e analisar se está bem preso e não houve ferimento no local.
  5. Passar produtos de ação repelente e cicatrização próxima à perfuração feita para evitar machucados.

Fonte: www.altobelavista.sc.gov.br

SISBOV, o que é e como pode me ajudar?

O SISBOV – Sistema de Identificação e Certificação de Bovinos e Bubalinos tem o objetivo de caracterizar a origem, o estado sanitário a produção e a segurança dos alimentos provenientes de bovinos e bubalinos, e foi criado como uma resposta às exigências dos países importadores de carne bovina.
Toda cadeia produtiva da carne está envolvida com o desenvolvimento, implantação e execução do SISBOV, ou seja, toda fazenda de gado de corte que tem sua produção voltada para exportação deve efetuar a contratação do SISBOV.

Mas o SISBOV vai muito além de uma obrigação para o produtor que deseja exportar sua produção. A identificação individual garantida pela implantação do SISBOV permite um controle muito maior sobre a produtividade do rebanho, pois a partir da numeração do brinco permite saber qual animal passou por manejo sanitário, qual é a origem daquele animal, qual é a pastagem que ele está consumindo, qual suplementação está recebendo e – principalmente – o ganho de peso daquele animal.

Fonte: www.beefpoint.com.br

 

Como posso contratar o SISBOV?

A adesão ao SISBOV é voluntária, o produtor interessado deve solicitar o cadastramento da propriedade a uma certificadora credenciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Após os animais serem identificados corretamente a certificadora faz uma vistoria na propriedade para ver se as exigências da legislação estão sendo cumpridas. Uma vez cumpridas ocorre a inclusão dos animais no Banco Nacional de Dados do SISBOV.

Ao ser incluído no SISBOV a propriedade passa a ser considerada como Estabelecimento Rural Aprovado no SISBOV – ERAS.

Com a inclusão da propriedade no sistema, os animais passam a ter monitoramento individual e as movimentações são comunicadas

Mais informações sobre o cadastro SISBOV podem ser encontradas aqui: MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *