Critérios para o descarte de matrizes em minha fazenda

Tempo de leitura: 6 minutos

Olá, pecuarista! O assunto deste conteúdo trata do descarte de matrizes na fazenda. Você sabe quais são os critérios necessários, a serem levados em conta, na hora de fazer o descarte desses animais?

A reposição de matrizes no rebanho serve para garantir a produtividade da fazenda. A recomendação é que seja reposto 30% dos animais anualmente, uma vez que estes considerados velhos e com baixa fertilidade são critérios de descarte. Essa taxa de renovação,  quanto maior for, ajuda a aumentar a capacidade genética do animal, o que leva a melhores resultados dentro do rebanho. 

São vários os fatores que levam ao descarte dessas matrizes, além dos citados anteriormente, como por exemplo: o temperamento do animal; algum erro reprodutivo e até mesmo ao avaliar se a vaca tem condição favorável ginecológica quando for trabalhar com a técnica de inseminação artificial.

COMO IDENTIFICAR?

É necessário analisar todo histórico do animal, para saber se já houve alguma falha reprodutiva anteriormente. Para a detecção desta  falha primeiramente é utilizado o método do diagnóstico de gestação

Mesmo não sendo considerado obrigatório, esse método é bastante recomendado. É  importante que seja feito o quanto antes, pois quanto mais cedo for detectada alguma falha na matriz, mais cedo ainda esse animal será descartado da propriedade, ou então, será preparado para ser vendido ou abatido.  Após o término da época da estação de monta ou saída dos touros, conta-se 30 dias, para fazer o diagnóstico de gestação.

Quando o médico veterinário realiza o diagnóstico de gestação nas matrizes, ele identifica vacas vazias.  É possível, nessas fêmeas que não emprenharam, determinar se há ocorrência de problemas nos órgãos reprodutivos das mesmas. Isso evitará a baixa produtividade do rebanho como um todo, pois você como produtor, selecionará as fêmeas que permanecerão no seu rebanho e as que serão descartadas.

Uma das formas de analisar o animal dentro da sua propriedade, é por meio dos índices zootécnicos, ou seja, são dados produtivos que acarretam o produtor a planejar e tomar decisões precisas. Quando for realizado o diagnóstico de gestação,  analisa-se o histórico do animal, através dos índices zootécnicos como: índice de prenhez; fertilidade; intervalo entre partos (IEP); natalidade; desmama; pesos ao nascimento; perdas na gestação, o que possibilitará a decisão do descarte da matriz, de  uma forma mais clara. 

Cada produtor decidirá o que será feito com o animal analisado, se este será descartado ou vendido a outro produtor. Algumas propriedades rurais preferem descartar matrizes que mostraram falha durante um certo tempo, quando elas ainda estão jovens. No entanto, essa falha temporária não afirma que esses animais são realmente improdutivos.

Outro fator a ser identificado é o estado de nutrição desses animais,  junto ao escore de condição corporal. As vacas muito magras são prejudicadas no seu desempenho reprodutivo. Isso acontece bastante na migração de épocas das águas para épocas das secas, alterando o peso dessas matrizes. Essas alterações nas matrizes,   devem  ser acompanhadas  de perto, pois caso seja identificado deficiência alimentar, é essencial que seja feita a correção necessária.

LEMBRE-SE

É necessário analisar sempre a proporção dos animais dentro da estação de monta. Se a maioria das matrizes saírem vazias na avaliação, talvez você esteja perdendo um tempo, mais que o necessário, analisando o histórico e índices dessas matrizes, uma vez que  o problema pode estar no macho, devido a algum problema na libido, conformação dos órgãos reprodutivos, ou até mesmo de  infertilidade. No entanto, vale ressaltar que é  importante analisar todos os animais do rebanho e identificar precocemente de onde vem o problema reprodutivo.

FERRAMENTAS DE SELEÇÃO

Outra prática que pode ser considerada, é acompanhar o escore de condição corporal da fêmea e, se for necessário, corrigir ou diminuir a falha. O ideal é que se descarte as vacas mais velhas antes mesmo que elas percam condição corporal, pois as matrizes mais magras e fracas têm mais dificuldades em se movimentar dentro da propriedade e possuem  um rendimento bem menor, em termos de carcaça. As novilhas na estação de monta, necessitam estarem aptas para a reprodução, ou seja, já na puberdade e prontas para o ciclo de crias.

É importante  analisar o histórico das matrizes para detectar as que tiveram falhas na reprodução, e  avaliar os touros anteriores à  estação de monta. Fazer o exame andrológico e analisar as condições reprodutivas dos mesmos. Assim, o produtor terá nas mãos todas as ferramentas para selecionar as fêmeas que ficarão ou não no rebanho para a próxima estação de monta.

As  fêmeas que demandam atenção, equivalem a perda de tempo e investimentos que, consequentemente, diminuirá a produtividade do rebanho como um todo.

COMO ESCOLHER

Nem todo critério de descarte vale para todos os animais. Analise primeiramente as condições da sua fazenda. 

As fêmeas primíparas são uma categoria de suma importância, ou seja,  devemos dar prioridade a elas, pois são bastante exigentes em termos nutricionais. Elas necessitam recuperar seu peso, ciclar novamente e além disso, amamentar o seu primeiro bezerro – e isso demanda muito esforço desse animal. A atenção deve ser redobrada para que essas fêmeas permaneçam no rebanho, pois caso isso não aconteça, na próxima estação de monta elas serão consideradas fêmeas solteiras e entrarão em critério de descarte. Como por exemplo, fêmeas que já pariram várias vezes, mas apresentaram uma vez apenas a falha reprodutiva, pode ser dado uma nova chance a elas sem precisar descartar neste momento, acompanhando nos próximos ciclos. 

No caso das fêmeas vazias que estão ciclando durante a estação de monta, estas tendem a ter boa fertilidade e consequentemente uma boa chance de emprenhar. Porém, as que não obtiveram sucesso na estação de monta anterior e não há bezerro pequeno , a indicação é o descarte, já que estão boa parte do tempo sem produzir. 

Por fim, se as fêmeas tiverem mais chances de permanecer no rebanho é uma decisão unicamente tomada por você, produtor, por meio de análises das condições de sua propriedade. Então poderá tomar a decisão de  amplificar ou reduzir o rebanho. Avalie se a sua pastagem tem condições favoráveis e equivalentes para atender toda a quantidade de animais. 

E aí leitor e produtor, gostou do conteúdo? Agora você está por dentro de todos os critérios necessários de descarte dos animais no rebanho. 

Acompanhe nosso blog e leia os outros assuntos sobre pecuária de corte, que poderão auxiliar você em sua fazenda.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.