Para ter bons resultados, é preciso investir em boa genética?

Tempo de leitura: 8 minutos

Olá, amigo produtor! Deixa eu fazer uma pergunta: Você acha que para ter resultados melhores, é necessário investir em boa genética?

Hoje vamos discutir um pouco sobre esse assunto. Se implementar o melhoramento genético em sua propriedade é uma vontade sua ou se você deseja conhecer mais sobre o assunto continue essa leitura conosco!

A resposta à essa pergunta com certeza é sim. Para conseguirmos aumentar nossa produtividade (produção por área), e com isso aumentar nossos lucros sem ter que aumentar nossa área – a melhor aliada para nos ajudar a chegar a tal resultado é uma boa genética do rebanho. Contudo, para isso acontecer de fato e o melhoramento genético atuar de forma somatória em nossa propriedade, para conseguir que nosso negócio dê mais lucro do que já está dando: o básico, o “arroz com feijão” do negócio deve estar sendo feito perfeitamente.

Uma boa genética só vai ser capaz de expressar os seus melhores resultados se ela estiver bem nutrida, tiver um bom manejo e tiver um bom ambiente de vida.

melhoramento genético em gado de corte

Fonte: https://nutricaoesaudeanimal.com.br/melhoramento-genetico-em-gado-de-corte/

Quanto maior a produtividade, maior será a exigência em relação ao ambiente e ao manejo. O fenótipo do animal nada mais é do que a soma entre a genética e as condições em que este animal vive.

Não vamos conseguir ter um animal que possui uma produção altíssima, ou algum outro melhoramento desejado dentre os vários existentes – como por exemplo: o aumento da circunferência escrotal do touro, ou alta resistência a vermes e carrapatos, ou qualquer outro melhoramento desejado visando melhorar a produção. Se não fornecer a esse animal o que ele precisa, como: uma boa uma nutrição mineral, uma boa alimentação (tanto de pasto quanto de cocho), fornecer uma água de boa qualidade nos bebedouros, ter um manejo menos estressante nesses animais, etc não iremos conseguir alcançar esse resultado esperado pelo melhoramento genético, e é então que muitos falham e acabam afirmando que investir em melhoria genética não compensa.

Por esse motivo, devemos conhecer bem a genética que iremos comprar, além de conhecer qual ambiente essa genética necessita para expressar seus melhores resultados. Uma forma de fazer isso é pesquisar de qual ambiente vem essa genética e se essa área é parecida com a sua área (ou se é possível modificar sua área para que fique parecida com a de origem).

Se o ambiente for semelhante e for possível fornecer um manejo parecido, e você estiver realmente disposto a fazer o que deve ser feito – vai conseguir expressar o melhor resultado daquela genética, podendo ser até melhor do que a expressão esperada! Caso o ambiente for diferente e você inserir essa genética mesmo assim em sua fazenda, muito provavelmente terá prejuízo. Seus animais nas condições de ambientes atuais irão expressar um melhor resultado do que a genética que você inseriu recentemente.

Mas o que vem antes de iniciarmos um melhoramento genético? Qual seria esse “arroz com feijão” que eu devo fazer perfeitamente?

Para que os bons resultados com investimento em genética venham, antes é preciso se atentar em fornecer ao rebanho alguns itens básicos, como a boa nutrição e boa sanidade aos animais. Além de todos os cuidados sanitários corretos, é preciso fornecer um suplemento mineral que atenda às necessidades nos vários estágios dos animais, fornecer uma dieta bem formulada e distribuída no cocho, ou um pasto bem manejado onde os animais consigam se alimentar do capim em seu bom estagio nutricional.

Para isso, o pasto deve ser bem manejado com boa fertilidade para que o capim consiga expressar seu melhor potencial nutricional). Além de conseguir crescer com mais facilidade e sem deficiências, evitando falta de alimento nos pastos.

 É preciso fornecer um maior conforto para os animais e o mínimo de estresse possível. Para isso devemos treinar nossos colaboradores para realizar um manejo menos estressante, principalmente no curral (evitando gritos e barulhos desnecessários, evitar bater ou ferir o animal, ou dar choque no animal) – que é extremamente estressante.

O manejo de bandeiras seria o mais indicado para se realizar um bom manejo na propriedade. Deve ser priorizado o conforto do ambiente – se esse animal possui áreas para descanso, se nessas áreas possuem sombra e água disponíveis, se há locais com sombra no pasto. As árvores são ótimas fonte de sombra, se não tiver, deve ser colocado sombrites em locais estratégicos, pois o estresse térmico é responsável por grandes perdas de peso do animal. Ele não come quando está sobre estresse térmico e ainda consome energia tentando reduzir sua temperatura.  Em casos severos, causa até a morte, mas não é apenas o calor, o frio também causa a mesmo coisa só que o inverso, o animal tenta a todo momento elevar sua temperatura, nesse caso o uso de corta-ventos ou abrigos são essenciais.

Devemos dar uma grande atenção a água desses bovinos, tendo em vista que para se formar músculos, carcaça, o animal consome grandes quantias de água por dia, e a água se faz extremamente importante para o bovino continuar ingerindo alimentos. Por isso, ter bebedouros bem espalhados pelos pastos da fazenda, evitando assim o animal percorrer grandes áreas (+ de 400m) para poder conseguir ingerir água pode mostrar um aumento bastante considerável no consumo de alimento – consequentemente um maior ganho de peso.

A água fornecida deve ser limpa. Mas como seria essa água limpa? Você pode ter ideia que a água que está fornecendo aos animais é de boa qualidade a partir da seguinte pergunta: “Se eu estivesse com muita sede eu teria coragem de beber essa água?” Esse é um ótimo indicador se a água está em boas condições ou não. Se a resposta for sim provavelmente é de boa qualidade. Lembrando que fornecer uma água de má qualidade pode causar diarreia, eimeriose, leptospirose, botulismo, verminoses, surtos e mortes de forma inesperada, além de ainda resultar em problemas na estação de monta.

Além de fornecer o básico que não distancia muitos dos pontos abordados acima, podemos fornecer ainda mais em questão de conforto ao nosso animais. O ditado de que “a vaca feliz deixa o produtor feliz” se faz cada vez mais verdadeira.

Um animal fora de um quadro de estresse, feliz, irá produzir mais, converter melhor peso, além de ter uma maior imunidade. O enriquecimento ambiental para bovinos, como por exemplo: escovas automáticas para os animais se coçarem, aspersores acionados em certos horários do dia podem ajudar. Há lugares que já possuem ambientes até com musicas para os animais, mesmo que tenha mais ocorrência em animais voltados a produção de leite já é algo que também vemos na produção de carne, porém, no Brasil a evolução segue lenta.

Quanto melhor conseguirmos deixar o nosso ambiente, melhor serão nossos resultados. Mas, apenas realizando o básico já podemos pensar em iniciar um programa de melhoramento genético. Alguns pontos que também pode ajudar na visão do que seria “realizar o básico” é atender as 5 Liberdades Animais que foram criadas pelo Farm Animal Welfare Committee (Comitê de Bem-Estar de animais de fazenda) que são:

  1. Liberdade de sede, fome e má-nutrição.

  2. Liberdade de dor, doença e injúria.

  3. Liberdade de desconforto.

  4. Liberdade para expressar o comportamento natural da espécie.

  5. Liberdade de medo e de estresse.

1. Estar livre de fome, sede e má nutrição. Os animais devem ter acesso a água e alimento adequados para manter sua saúde e vigor.
2. Estar livre de dor doença e injúria. Os responsáveis pela criação devem garantir prevenção, rápido diagnóstico e tratamento adequado aos animais.
3. Estar livre de desconforto. O ambiente em que eles vivem deve ser adequado a cada espécie, com condições de abrigo e descanso adequados.
4. Ter liberdade para expressar o comportamento natural da espécie. Os animais devem ter a liberdade para se comportar naturalmente, o que exige espaço suficiente, instalações adequadas e a companhia da sua própria espécie.
5. Estar livre de medo e de estresse. Não é só o sofrimento físico que precisa ser evitado. Os animais também não devem ser submetidos a condições que os levem ao sofrimento mental, para que não fiquem assustados ou estressados, por exemplo.
Link: https://certifiedhumanebrasil.org/conheca-as-cinco-liberdades-dos-animais/

E então meu amigo leitor, essa leitura te acrescentou algo? Você acha que uma boa genética consegue tapar buracos na pecuária ou devemos corrigir o básico para depois pensarmos em implementar uma melhor genética na propriedade? Espero que esse texto tenha contribuído em algum conhecimento. Se você possui interesse em assuntos ligados a uma pecuária mais produtiva e mais lucrativa dê uma olhada pelo nosso blog, com certeza você encontrará muitos assuntos interessantes e importantes para uma boa pecuária, até uma próxima.

Nós da JetBov desejamos que a alta lucratividade e a alta produtividade sempre esteja contigo amigo produtor!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.