Qual o melhor e mais lucrativo sistema produtivo para fazenda de gado de corte?

Tempo de leitura: 9 minutos

Em dúvida sobre como saber dos sistemas de produção de gado de corte qual é o melhor para utilizar em sua fazenda? Primeiramente, é importante saber quais os sistemas existentes dentro da pecuária de corte, o que já não é mais segredo.

Neste artigo, falamos um pouco sobre cada um desses sistemas, e como avaliar qual é a melhor opção para você produtor, adotar em sua propriedade de bovinocultura de corte, visando obter máximo desempenho e lucratividade.

Quais são os sistemas de produção de gado de corte?

Quatro são os sistemas de produção de gado de corte que podem ser utilizados simultaneamente em uma mesma fazenda de bovinocultura de corte. São eles: 

  • Cria;
  • Recria;
  • Engorda;
  • Completo (compreende a junção dos outros três).

Cria

Qual o melhor e mais lucrativo sistema produtivo para fazenda de gado de corte?Começaremos com o sistema de cria que é uma das fases mais importantes na vida do animal, em que usamos matrizes para a produção de bezerros.

As fêmeas devem ter boa taxa de prenhez, produzindo em média um bezerro por ano, e sete a oito bezerros em vida. As exigências da vaca devem ser atendidas para que o animal possa gerar um bom bezerro. A alimentação da matriz deve ser baseada em regime de pastejo e mineralização.

Nessa fase, devemos nos atentar se a matriz é uma boa mãe, que amamenta o bezerro, e cuida desde o nascimento. Existem matrizes que rejeitam o bezerro, deixando-o de lado sem amamentar. Neste caso, o indicado é que se faça o descarte desta vaca, pois casos assim atrapalham o desenvolvimento do sistema de cria, gerando prejuízos ao produtor, haja vista que existe o fator herdabilidade.

Quando a fêmea recebe os cuidados adequados e o tratamento ao longo deste período é feito de forma correta, conseguimos como resultado um bezerro saudável e pesado no fim do sistema. Os bezerros nascem com média de 38 quilos e são desmamados com 6 a 7 arrobas de peso vivo médio.

O bezerro deve ficar junto à mãe por um período de sete a oito meses, que é quando ocorre a desmama. Cerca de trinta dias após o parto, a vaca já pode passar por uma nova gestação. Para isso, podemos usar a monta natural (uso de touro melhorador) ou a IA – inseminação artificial.

O que preciso fazer para adotar esse sistema?

O que preciso fazer para adotar esse sistema de cria?Para a adoção do sistema de cria, é necessário que haja bastante espaço em sua fazenda, pois o número necessário de matrizes é elevado, cerca de 500 ou mais animais para ser um sistema lucrativo.

Além disso, é indicado que haja suplementação adequada de acordo com a exigência de cada época, pois animais que perdem muito peso na seca não são capazes de ter um bom desempenho. A taxa de prenhez cai e a qualidade de bezerros também. A vaca para ser uma boa matriz, precisa estar saudável e bem alimentada. Com isso, ela terá um bom desempenho tanto ao gerar quanto criar o bezerro.

Deve-se ter suporte técnico para que seja implantada uma boa estação de monta. Etapa esta fundamental, pois assim concentramos as atividades de reprodução, de nascimento e de desmame. Gerando lotes homogêneos de venda de bezerros, além de permitir identificar e eliminar as fêmeas improdutivas.

A desmama geralmente é feita no momento da venda dos bezerros, a chamada desmama ao pé da vaca. Isso reduz o trabalho do criador e proporciona maior peso dos bezerros no momento da venda. O sistema de cria quando comparado ao de recria e engorda a pasto, é o que envolve mais trabalho e demanda mais atividades.

Recria

Recria é um dos sistemas de produção de gado de corteEste sistema, ao contrário do sistema de cria, não exige tanto espaço. Os animais ainda assim devem ser bem alimentados, para que tenham um bom desempenho. Vale lembrar que esses ainda estarão em fase de crescimento. Os animais iniciam a fase de recria com cerca de 6 a 7 arrobas de peso vivo (logo após a desmama), e terminam a fase com 12 a 13 arrobas de peso vivo.

Uma má alimentação nesta fase, pode gerar prejuízos em questão do desenvolvimento do animal, como por exemplo, gerar um animal tardio, um animal pequeno, dentre outros. A base alimentar dos animais é praticamente o pasto. Capim este que deve ser bem manejado objetivando ofertar folhas aos animais

Um dos aspectos que devemos nos atentar, diz respeito aos manejos sanitários, em que concentram as vacinações e aplicação de anti-helmínticos. Estes são de suma importância para reduzir o risco de mortalidade e auxiliar no desempenho produtivo dos animais.

Podemos citar as vacinas contra a febre aftosa (obrigatória), as clostridioses e a vacina antirrábica. É importante ressaltar que, vacinas aplicadas de forma incorreta podem causar abscessos nos animais, o que gera uma desvalorização da carne ao final de sua vida, caso o destino seja o abate.

Há vacinas que são indicadas para determinado mês de vida, ou época do ano, o que deve ser respeitado e trabalhado corretamente dentro de um calendário vacinal implantado por um consultor técnico.

Com o calendário sanitário, é possível ter um controle maior das datas de aplicação, das quantidades que serão gastas de acordo com o número de animais, e com isso é possível ter uma melhor organização da fazenda.

O que devo me atentar ao adotar esse sistema?

O principal gasto na recria é com a suplementação dos animaisNesse sistema, o principal gasto é com a suplementação dos animais. Os gastos com medicamentos e vacinas são relativamente baixos.

É importante que o curral de manejo tenha balança para o acompanhamento do desempenho dos animais. Sem este controle, o pecuarista não consegue planejar a data de saída dos animais do seu sistema. As pesagens devem ser feitas no mínimo quatro vezes ao ano e sempre no mesmo horário, por exemplo às 7h.

Portanto, o item mais importante na fase de recria é ter um bom manejo das pastagens, podendo trabalhar com adubações e fazer com que o animal ganhe, pelo menos, 500 gramas de peso vivo por dia ao longo de um ano.

Engorda

Sistema de engorda para gado de corteNesta fase da vida, o animal já atingiu sua maturidade sexual, e portanto, está dentro da sua curva fisiológica para a deposição de gordura. A gordura é o tecido animal mais caro de ser produzido quando pensamos em ganho de peso vivo. 

Não existe uma ‘receita de bolo’ que vá servir para todas as fazendas. Sendo assim, as orientações devem ser baseadas em sugestões técnicas para cada fazenda. Neste período, o objetivo chave é o ganho de peso para o abate. Os animais iniciam com 12 a 13 arrobas e são abatidos com 18 a 21 arrobas.

Um animal que recebeu um pasto de boa qualidade e uma suplementação bem feita ao longo da terminação, fará uma boa deposição de gordura no final do sistema. Lembrando que para a deposição de gordura próxima às exigências dos frigoríficos abatedouros, é necessário altas doses de grãos energéticos (milho e sorgo).

O que ocorre quando há uma má alimentação?

Uma má alimentação reflete em baixos ganhos de peso. Isso faz com que o animal demore muito mais tempo para chegar no momento de abate. Como consequência, teremos uma carcaça com baixo teor de gordura, uma vez que a dieta foi basicamente baseada em capim e com pequenos ganhos. O animal será abatido mais velho, cuja carne tende a ser mais dura.

É importante atentar-se para que: a produção animal deve pagar os gastos que foram feitos com ele na propriedade e gerar lucro. Caso contrário, só trará prejuízos, ou no máximo pagará as contas. Sabemos que baixos ganhos de peso nesta fase geralmente refletem prejuízos. 

Sistema Completo

Sistema Completo na pecuária de corte Esse sistema é composto pela cria, recria e engorda realizadas em uma mesma propriedade. É o sistema mais complexo e que exige mais terras e capital do produtor. Por abranger o ciclo completo de vida do animal, os gastos se tornam maiores, uma vez que maior tem de ser a dedicação em relação ao manejo e espaço para as vacas matrizes. É necessário que haja área para recria e engorda. Além de vacinas, vermífugos, suplementações, dentre outros.

Apesar de ser o que mais exige manejos, este é o sistema que sempre estará pronto para atender a demanda do mercado, por possuir todo o ciclo de vida animal, e consequentemente, produzir o animal que o mercado deseja.

Qual dos sistemas de produção de gado de corte vai me gerar mais lucro?

Em se tratando de lucratividade, não há como ter uma resposta exata sobre qual sistema é o ideal para a sua fazenda. O que deve ser levado em consideração é o mercado atual. Por exemplo, se o mercado de terminação estiver saturado, o lucro será menor, pois terá mais gado a ser abatido do que o mercado exige.

Por outro lado, se a produção de bezerros estiver em falta, este será o que mais vai gerar lucro, porque haverá alta demanda do mercado e pouca oferta de bezerros, e isso fará com que o preço do bezerro seja mais alto.

Portanto, o que irá auxiliar na escolha do melhor sistema será um estudo de viabilidade econômica, feito por um técnico qualificado para poder sugerir o melhor sistema dentro das condições que a propriedade e o produtor são capazes de realizar.

Além, claro, de toda uma gestão e monitoramento completos e eficientes da fazenda. O que inclui planejamento e boa estratégia baseados em dados reais sobre a propriedade, e isso somente é possível com o uso de uma plataforma digital de gestão para fazendas de gado de corte.

Conheça a tecnologia JetBov, uma plataforma digital de gestão para pecuária de corte que vai auxiliar no gerenciamento da fazenda. Fale agora mesmo com um de nossos especialistas e solicite uma demonstração personalizada para a sua propriedade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.